Bem vindo ao Blog Según Galeano do Teatro de Senhoritas. Según Galeano é o novo processo do Teatro de Senhoritas. Estamos explorando o universo do escritor Uruguaio Eduardo Galeano através de "Missões" criadas por nós, ou sugeridas pelos colaboradores. Todo processo está sendo registrado aqui. As Missões estão escritas ao lado. Os vídeos estão nas páginas acima. Convidamos você a participar, comentar, questionar, sugerir missões e reflexões.

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Reflexões acerca de formas de produção, contemporaneidade e cultura 1

Apesar do nome, são simples reflexões que rondam a minha cabeça e que encontraram voz na leitura do artigo "Por que educação e Cultura?" escrito por Maria Alice Setubal e Maurício Érnica na revista Cadernos Cenpec 2006 n. 1. Os trechos destacados em itálico foram retirados desse texto.

Por que fazer o Según Galeano nesse formato? Por que nossos ensaios começam agora com almoço, cafés e discussões? Por que não levamos mais roupa de "ensaio"? Por que registrar nosso processo e compartilhá-lo em um blog?
Já ha alguns anos, Débora coloca-nos a questão: "Por que não trabalhar com as condições que nos são colocadas?"

Escolher iniciar um processo assim vem de uma primeira ESCUTA sobre a situação concreta que nos rodeia. Não temos espaço para ensaio! Escolhemos, esse ano, não gastar o dinheiro (que não temos) alugando um espaço convencional para ensaiar. PERCEBEMOS que não temos necessidade de ter mais uma peça pronta para vender (já que temos espetáculos no repertório que têm muita dificuldade de circular, diante das possibilidades que se apresentam a grupos jovens como o nosso). Porém, o impulso da criação é praticamente vital e não tem o mesmo tempo do meios de produção.

Ou deveria ter?

"Trabalhar com cultura implica considerar os processos de produção, circulação e apropriação dos elementos culturais e dos discursos que os interpretam e valorizam."

O contexto de escrita dessa frase com certeza não é o contexto ao qual me refiro. Entretanto, os meios de produção fazem parte do produto artistico criado (já diria Pedro de Freitas em suas ideias para um mestrado inacabado). As condições reais de criação devem (e são) incorporadas ao resultado do trabalho. Então, por que tentamos driblar, omitir, negar nossas condições de criação, como se houvesse uma só forma certa de criar teatro nesse nicho ao qual queremos pertencer? Talvez, por uma vontade de mudar nossa situação, sem conformismos. Talvez por acreditar que existam modelos cor-re-tos. "Todos os grupos humanos se fazem com influências externas.", diz o texto ao qual me refiro, mas em seguida oferece uma nova chave "O isolamento e a tentativa de manter uma cultura estática e fechada em si mesma representam seu empobrecimento".

Assim, o Teatro de Senhoritas, na tentativa de ESCUTAR e AGIR sobre o espaço real que o rodeia tenta criar uma forma de existir, identificando sua origem (em amplos sentidos) e descobrindo novos espaços de contatos.

"Estamos orientados pelo desafio contemporâneo de fortalecer práticas culturais que incorporem a experiência do convívio com o diferente, oferecendo meios inusitados para a construção do novo."

Abraços
Isis

Um comentário:

  1. Oi, Zi, penso nisso diariamente, e sabe o que mais? Temos um projetor! Precisamos, e muito, trabalhar com ele. beijos, Dé.

    ResponderExcluir